Walt Disney: criador de sonhos

segunda-feira, dezembro 30, 2013


Todos nossos sonhos podem se realizar, se tivermos a coragem de persegui-los. - Walt Disney


Foi assim que Walt Elias Disney perseguiu seus sonhos. Antes de se tornar o “pai” do Mickey Mouse – o rato mais famoso do mundo – e da criação da Disneyworld, Walt Disney foi demitido do jornal onde era ilustrador de peças publicitárias por “falta de imaginação e criatividade”.

Em 1921, depois de ser demitido por conta da tal falta de criatividade, ele se uniu ao seu irmão Roy e ao amigo Ub Iwerks e juntos criaram a Laugh-O-Gram, uma empresa que fazia pequenos filmes de animação que eram exibidos nos cinemas locais. O sucesso destas animações levou Disney e a equipe para Hollywood em 1923, onde continuou a produção de seus desenhos animados, ele criou as Comédias de Alice e em seguida Oswaldo, o Coelho Sortudo.


Por um erro de Walt, que não assinou o desenho, a Universal contratou uma equipe de desenhistas e ficou com os créditos – e lucros – do coelho Oswald. Isso foi mais um contratempo na vida de Walt, que ao invés de desistir e tentar outra coisa reuniu forças e deu vida ao seu mais audacioso personagem: Mickey Mouse, que foi criado para competir com o sucesso do Gato Félix. Em 1928, Walter lança Steamboat Willie, seu primeiro desenho com som, tendo como protagonista o ratinho Mickey. Mickey Mouse acabou tornando-se o maior sucesso dos estúdios Disney.


Em 1929 cria o Pato Donald, o Pateta e o Pluto, para contracenar com o Mickey Mouse. Em 1932, recebeu seu primeiro Oscar, com o filme Flowers and Trees. Em 1937, lança o primeiro longa-metragem animado, Branca de Neve e os Sete Anões, que foi sucesso de bilheteria e Disney recebe seu segundo Oscar. Outros longas foram criados: Pinóquio, Fantasia e Bambi.


Durante a II Guerra Mundial, Walt Disney colabora com as Forças Armadas, produzindo desenhos animados para treinamento dos soldados. Além de colaborar com o FBI e ser responsável por filmes de propaganda, foi em parte responsável pela moda nose art durante os anos da guerra. Ainda na década de 40, Walt criou José Carioca, o Zé Carioca, em turnê pela América Latina, mero esforço dos Estados Unidos para reunir aliados durante a guerra que ficou conhecido como política de boa vizinhança. 


Sua visão de mercado e criatividade permitia a Walt desenvolver novos projetos e colocar em prática mesmo que as condições não parecessem muito favoráveis. Com o fim da guerra e sem recursos, resolve prosseguir e cria Cinderela, que lhe rendeu uma fortuna e salva a empresa da falência.


O empresário visionário ainda não estava satisfeito, ampliando a sua participação para além dos estúdios cinematográficos em 1955 ele inaugura a Disneylândia, mais que um simples parque de diversões, é um local onde as famílias sentem-se seguras e acolhidas. 


Ele não viveu para ver as transformações e as novas atrações do parque, mas tornou-se uma lenda ao ajudar a criar todo um universo de referências recontando famosos contos infantis. O grande triunfo de Walt foi utilizar-se de histórias folclóricas - principalmente européias -, dotá-las do ideário americano e torná-las universais e atemporais.


Curiosidade

Fonte: Folha de São Paulo Online

Acompanhe o blog também em: Instagram | Twitter | Facebook | Pinterest

VOCÊ VAI GOSTAR TAMBÉM:

0 comentários

Comentários são sempre bem-vindos e eu vou gostar de saber o que você acha do blog ♥. Mas lembre-se: sem palavrões ou xingamentos. Ah! E deixe o endereço do seu site/blog pra eu poder visitar.

Ari

Portfólio

Fac

Todos os textos publicados são produzidos por Ariadne Rodrigues, exceto quando sinalizado. Por ser um blog de inspiração o material divulgado (fotos, vídeos, etc.) leva sempre o nome do autor e o link para o mesmo. Se ainda assim algum material não foi devidamente creditado ou não é permitido seu uso, você artista, pessoa pública, site ou empresa entre em contato via e-mail (devoltaaoretro@gmail.com) que o material será prontamente creditado e/ou removido. Não utilize as imagens e os textos feitos pelo De volta ao retrô, sem a minha autorização.

Faço parte