TAG: Cinco Divas vintage ou retrô


Hello nostálgicos, hoje vou responder a TAG Cinco Divas vintage ou retrô do grupo “Vintage e Retrô Bloggers", o tema da roda foi sugerido pela Jell Mariane do blog Urbano e Retrô. A dificuldade dessa TAG é indicar apenas cinco Divas, gente é muito difícil (risos)! Além disso podemos falar o que gostaríamos de inserir no nosso estilo próprio algo que admiramos nessas grandes Mulheres. Sem mais delongas, eis minhas principais inspirações:

O que é que a baiana tem? -  Carmem Miranda



Essa canção fala sobre a vestimenta tradicional das mulheres negras da Bahia, que é composta de saia comprida, brincos e balangandãs, esta vestimenta inspirou os trajes icônicos de Miranda. Luso-brasileira Carmem Miranda não pode deixar de ser citada, ela levou para todos os lados a alegria, as cores, a elegância e todos os badulaques de uma terra cheia de calor e cultura.

A primeira It Girl - Clara Bow



Atriz do cinema mudo norte-americano, fez muito sucesso na década de 20. Clara Bow teve que superar a miséria e os traumas da infância para se tornar um dos primeiros símbolos sexuais do cinema, ainda no período silencioso. O que me chama atenção nessa atriz é que além de ter vivido em uma das minhas décadas favoritas, do estilo, da determinação, maquiagem e carisma, as expressões faciais que ela faz nas fotografias são as melhores, é impossível não se apaixonar por ela.

A moda sai de moda, o estilo jamais - Coco Chanel



Conhecida como Mademoiselle Coco Chanel, essa estilista francesa muito importante e à frente do seu tempo, libertou a mulher dos trajes desconfortáveis e rígidos do final do século 19. Apesar de não concordar com certos fatos da sua vida pessoal, destaco aqui sua genialidade em acabar com a ditadura da silhueta feminina da época. Ela criou roupas confortáveis, com tecido fluídos. Suas criações e visões ditam e influenciam a moda mundial até hoje, ela criou uma moda que deu ao usuário um sentimento de luxo íntimo, em lugar da ostentação. Palmas pra essa revolucionária!

Lady Sings The Blues - Diana Ross



Não poderia deixar de falar de uma black Diva. Diana Ross é uma das minhas cantoras preferidas, foi também atriz e começou sua carreira em 1960 com The Supremes. Sim, juntamente com o rei do pop Michael Jackson, Diana Ross fez um musical, com um elenco totalmente negro de o “Mágico de Oz”. Diana é linda, carismática, boa de voz e vale a pena conhecer o som dela, ela é mais do que minha top 5 divas.

A eterna Bonequinha de Luxo - Audrey Hepburn



Deixei ela por último propositalmente, pra mim ela é a Diva das Divas. Audrey Hepburn é a doçura em pessoa, discreta e reservada, não se considerava bonita e tinha certa baixa autoestima, chegou certa vez a listar todos os seus defeitos (Como pode Deus?!), mas isso não fez com que sua estrela parasse de brilhar através dos tempos. Audrey foi uma mulher elegante, simples e bondosa, em 1987, tornou-se embaixatriz da Unicef, viajando por diversos países levando ajuda e conforto aos mais necessitados. Pra mim Audrey é mais que um exemplo de beleza, e sim de espírito de bondade, por exemplo, seu vestido usado em Bonequinha de Luxo foi leiloado por 800 mil dólares e o dinheiro foi revertido para a construção de 15 escolas para crianças pobres indianas. Mesmo com a saúde debilitada e três meses antes da sua morte, ela viajou para a Somália para ajudar as crianças pobres. Para estes esforços, ela disse: “não acredito na culpa coletiva, mas na responsabilidade coletiva”. E mais do que merecido, em 1990 uma nova espécie de tulipa levou seu nome, durante a grande segunda guerra Audrey chegou a se alimentar de tulipas para sobreviver. (Pra quem quiser uma caneca da Diva)

O que eu inseriria no meu estilo dessas grandes Divas:

Carmem Miranda: a felicidade e as cores.

Clara Bow: as expressões faciais na hora de tirar uma foto, e o estilo anos 20 que amo. Ahh! E a estrelinha tão cute!

Coco Chanel: a genialidade de definir seu estilo próprio.

Diana Ross: a beleza e a voz contagiante.

Audrey Hepburn: a doçura, o estilo romântico e o trabalho humanitário em ajudar o próximo que tanto precisa.



Esse post coletivo conta com o apoio da Cottage Decora
Acompanhe o blog também em: Instagram | Twitter | Facebook | Pinterest

Imagens via: Shutterstock, Pinterest.

Como manter a essência retrô quando sua companhia troca de logo?

O tempo passa, o tempo voa, já dizia o antigo jingle do banco Bamerindus, que já não existe mais. Que forma melhor de começar um artigo sobre marcas do que usando uma música de um comercial do passado? Com essa metáfora, o importante é demonstrar como o tempo acaba passando e as marcas têm de se adaptar à realidade contemporânea na qual estão inseridas.



Muitas vezes isso pode significar que a logo pode passar por uma mudança radical ou por pequenas alterações. Os Correios, por exemplo, trocaram radicalmente sua marca neste ano. Pode parecer algo pequeno, mas é grandioso e custa muito caro, desde o projeto da nova logo até os registros de propriedade intelectual, renovação das fachadas das agências e a troca da pintura de carros. Com efeito, a mudança tem de ser minuciosamente planejada para que os efeitos alcançados – como a modernização da marca – sejam de fato atingidos.



A grande questão é: e quando a logo da empresa tem um caráter retrô? Isso faz com que a mudança não desrespeite o caráter anacrônico que a essência do “retrô” tem em si. De qualquer forma, às vezes é necessário que alguma mudança seja feita para “suavizar” a imagem da marca ou para que haja uma novidade, motivando e despertando o interesse do consumidor.






Esse é um problema que algumas companhias têm de enfrentar em algum momento de sua existência. Muitos desprezam ou não levam muito a sério o poder que uma marca tem sobre o público. Explica-se: a marca pode ser o desejo ao invés do produto em si. Você provavelmente não chega no bar e pede um refrigerante de cola – pede uma Coca-Cola. Falando nela, é nosso primeiro exemplo.



A logo da Coca-Cola não começou com seu clássico efeito de letras entrelaçadas que é reconhecida visualmente em qualquer parte do mundo. Eram apenas letras de aspecto romano e com serifas. Com o passar do tempo, a marca começou a ganhar a imagem que tem hoje. Contudo, em meados do século passado, foi necessária uma harmonização na logo da empresa: torná-la proporcional no que diz respeito à largura das letras, por exemplo. A evolução da logo da Coca-Cola é um exemplo clássico de como manter o visual retrô sem que se perca a intenção de modernizar.



Outra evolução bem interessante é o caso da Volkswagen. A empresa de carros alemã tinha em sua essência uma logo com uma engrenagem que simbolizava justamente o significado da palavra volks + wagen, em alemão: carro do povo. Seria um carro popular, do trabalhador das indústrias. Entretanto, como o projeto do Fusca (Beetle) estava associado com a empreitada do nazismo, foi necessário um rebranding após o renascimento da marca depois da Segunda Guerra Mundial. Ao mesmo tempo a logo manteve seu caráter minimalista e retrô até o início da década passada, quando ganhou cores e uma perspectiva de sombreamento e terceira dimensão. É outro case interessante de se analisar.



Uma empresa de internet com a logo retrô é uma das coisas mais legais e inteligentes que existem. Cria-se um paradoxo entre a tecnologia e o visual da marca que simboliza um tempo que não volta. O caso da Full Tilt Poker é interessante, pois lembra bastante o que Las Vegas simbolizava quando os cassinos começaram por lá. O triângulo na parte de fora da logo nada mais é do que a forma pela qual os letreiros dos cassinos se configuravam na principal avenida de Vegas nos anos dourados. Assim, o site de poker consegue emular essa experiência de maneira interessante em seus usuários. A evolução é sútil, da mesma maneira que a da Coca-Cola, nota-se uma maior harmonização principalmente nas cores.

Seja como for, é interessante perceber como as marcas conseguem se reinventar sem perder sua essência. Quando se trata de propriedade intelectual e sua criação, isso é de vital importância.

Fonte das imagens: Evolutionof famous brand LOGOs

R-5 da TEAC – o rádio moderno com estilo retrô


Seja para ouvir a estação de suas músicas favoritas, ficar por dentro das notícias ou acompanhar os jogos do seu time do coração, o rádio é desde o século passado, um excelente veículo de entretenimento. A música foi sem dúvida a responsável por eu gostar tanto do estilo vintage/retrô, cresci ouvindo rádios como Antena 1 e Alvorada (minhas preferidas) com seus programas de flashs backs, e pasmem ainda na barrigada da minha mãe eu já tinha esse hábito de ouvir rádio, ela me conta que meu pai e ela colocavam o rádio perto da barriga da minha mãe e logo eu começava a me mexer (tão cute).

Apesar do desenvolvimento tecnológico, o rádio sobreviveu ao tempo e se dinamizou para interagir com as novas gerações, oportunizando momentos ricos aos saudosistas. O rádio é uma plataforma que se ajusta oferecendo mais conteúdo aos ouvintes.

Pois bem, quem aqui gosta da mistura do antigo com o moderno? Se sua resposta foi sim, certamente você vai curtir o rádio R-5 da TEAC. O nome é moderno, mas o modelo é totalmente retrô!



Recebi esse rádio da empresa Camelot, que há 30 anos (tem prestígio) está no ramo de importação e distribuição de eletrônicos. Faça um tour pelo site e delire nos modelos tecnológicos da empresa.



Sobre o meu R-5 da TEAC... Antes de falar das especificações dele, quero expressar meu entusiasmo em falar sobre um produto de alta qualidade, ele superou as minhas expectativas, sou uma pessoa extremamente movida a música, e a qualidade do rádio não deixou a desejar em nenhum detalhe.



O R-5 da TEAC possui bateria recarregável, isso oferece portabilidade e você pode ouvi-lo por até 12 horas de funcionamento ininterrupto. O design do produto é totalmente retrô, e eu escolhi a cor vermelha justamente para que ele se destacasse na decoração.



Uma das coisas que me chamou atenção no rádio é que ele é equipado com RDS (Radio Data System) um sistema de transmissão de dados digitais usando emissores de radiodifusão em FM. O RDS permite visualizar várias informações sobre a estação de rádio sintonizada, como o nome da rádio, tipo de programação, nome de artistas e suas canções. Quando vi que o display do rádio estava mostrando o nome do cantor e sua música, JURO, não acreditei! É simplesmente sensacional.



Quanto a qualidade do som é elogiável, não tem ruídos e é bem agradável, eu amo escutar músicas enquanto tomo banho, fiz o teste com o R-5 da TEAC e escutei a minha rádio de forma perfeita, sem nenhum chiado.

Outra função é a facilidade em sintonizar sua rádio favorita, tanto AM quanto FM, além disso você pode memorizar até 10 estações diferentes para cada faixa, dispensando a necessidade de sintonizá-las manualmente sempre que quiser ouvi-las. E tem mais, para melhor sintonização das suas rádios favoritas vem Integrada ao aparelho uma antena retrátil que auxilia na qualidade de recepção de sinal.



Outras três funcionalidades do rádio é: a entrada auxiliar que você pode conectar seu iPod, iPhone ou mesmo qualquer outro player de sua preferência, para escutar suas músicas armazenadas em seu player, o rádio-relógio que com seu display de LED e iluminação regulável, facilita a leitura das horas mesmo em ambientes escuros, e você pode programá-lo como despertador, e pôr fim a saída para fones de ouvido, caso você queira viajar e não quer incomodar ninguém você usa os fones e escuta suas melhores músicas com uma qualidade sonora incrível.





Gostaram? Eu A-M-E-I! Não desligo o rádio nem se quer um minuto. Gostei de falar sobre um produto que vale realmente ser conhecido, e eu super indico! Aliás já tem dois aparelhos que estão em minha lista o TOCA-DISCOS TEAC GF-550 USB para tocar meus vinis e o SISTEMA DE ÁUDIO TEAC SL-D920 - VERMELHO (confesso que esse é meu queridinho) lindo para a decoração e com certeza com um ótimo áudio!




Abaixo você confere as redes sociais da Camelot, basta clicar nas imagens para seguir e ficar por dentro de todas as novidades.

  

Acompanhe o blog também em: Instagram | Twitter | Facebook | Pinterest

Imagens via: Shutterstock, Camelot e Acervo pessoal.


TeaParty Branding and Web


Teaparty é uma loja que vende chás exóticos e incomuns, dessa forma o designer Nicky Laatz criou etiquetas e um site com uma estética bem retrô para melhor representar o seu produto. Confira o design elaborado, o uso de ribbons no estilo vintage e o floral deu um toque bem old e ao mesmo tempo artesanal a identidade da Teaparty.


Acompanhe o blog também em: Instagram | Twitter | Facebook | Pinterest

Apartamento intocado há mais de 70 anos é encontrado em Paris


Poder entrar nesse apartamento parisiense é uma verdadeira viagem no tempo. Fechado desde 1942, ninguém imaginava o que havia dentro do imóvel. A proprietária era uma famosa atriz parisiense chamada Madame de Florian, ela abandonou o lugar para fugir dos horrores da 2ª Guerra Mundial, indo para o sul do país. Mas por razões desconhecidas ela não voltou mais para o apartamento, mesmo depois do conflito. O curioso é que Madame Florian continuou pagando o aluguel do apartamento até o último dos seus dias, em 2010 com 91 anos.




Com a morte de Florian, o leiloeiro Olivier Choppin-Janvry entrou no apartamento e fez a descoberta. Sob uma espessa camada de poeira, Olivier encontrou um apartamento maravilhosamente preservado e suntuoso, cheio de belas antiguidades e obras de arte. Peças de arte, brinquedos muito antigos e animais embalsamados faziam parte do cenário quando Olivier entrou. Uma peça, no entanto, destacou-se do resto das relíquias artísticas e históricas, um retrato de uma mulher, da autoria do pintor Italiano Giovanni Boldini, do século 19. Era a própria Madame de Florian, quando tinha 24 anos.




A pintura foi avaliada em cerca de 2 milhões de euros e vendida, o restante foi mantido como estava. Não há comentários sobre uma exposição aberta ao público, mas essas imagens nos permitem sentir um pouco da nostalgia guardada pelo tempo.




Acompanhe o blog também em: Instagram | Twitter | Facebook | Pinterest

ClipArts Retrô



Olá nostálgicos, hoje trago uma dica coringa para quem quer criar um layout bem retrô usando cliparts. Vocês com certeza já viram artes elaboradas com esses ícones, aqui mesmo no blog eu faço muito uso do clipart retrô, nas criações de banners, avisos, etc.




Nos anos 1950 algumas lojas na cidade se tornaram impressoras de jornais e publicidade local. Essas lojas não podiam pagar artistas gráficos, dessa forma elas usavam clipart fornecidos por grandes empresas que distribuíam gráficos comuns para uso em seções de publicidade dos jornais.

Os cliparts retrô são ilustrações simples P&B, eu me aventurei e colori os personagens que uso quando faço alguma arte aqui para o blog, mas a ideia é apenas uma cor. Para vocês se inspirarem achei um perfil no Shutterstock, que é perito em fazer cliparts retrô. O RetroClipArt possui em seu portfolio uma série de ilustrações retrô no estilo clipart. Confira alguns que selecionei abaixo.







Acompanhe o blog também em: Instagram | Twitter | Facebook | Pinterest


Imagens via: Shutterstock