Artwork dos leitores | #13

segunda-feira, julho 21, 2014


Olá nostálgicos, estamos na décima terceira exposição dos trabalhos dos leitores. Esse Artwork está cheio de temas diversificados, temos um personagem imaginário, a ilustração de um livro ao estilo de gravação em matrizes de madeira e a identidade visual para um grupo de patinação. Confiram essa seleção inspiradora. 



David Pampolini  Designer | Belo Horizonte - MG

“Ter um amigo imaginário nos dias de hoje é sinônimo de loucura. Este foi meu pensamento antes de conhecer o Nario. Um amigo que surgiu em um momento inesperado e despretensioso. Nario, é um personagem divertido e engraçado, não há quem não se encante por ele. Ele é um personagem que se diverte por ai, nas ruas e nas redes sociais. Brinco que ele é um monstrinho que saltou da minha mente para aprontar por ai. O projeto Nario trabalha com técnicas de ilustrações e intervenção urbana. Ficou curioso? Curta a página e se divirta com as aventuras do Nario”. - David Pampolini




Gustavo Piqueira Designer | São Paulo – SP

“Clichês Brasileiros”
Gustavo Piqueira cria narrativa visual combinando antigos clichês tipográficos e conta a história do Brasil em seu novo livro. 

Utilizando-se apenas de imagens de um catálogo brasileiro de clichês tipográficos do início do século XX (Catálogo de clichés D. Salles Monteiro, publicado em edição fac-similar pela Ateliê Editorial, em 2003), Gustavo Piqueira compõe uma inusitada narrativa visual contemporânea em seu novo livro, Clichês Brasileiros.

Os clichês tipográficos eram matrizes, gravadas em madeira ou metal, utilizadas como complemento figurativo ao conteúdo textual no processo tipográfico de impressão, método dominante na produção de impressos durante quase cinco séculos. 

Mas o título do livro não se deve exclusivamente às matrizes usadas para a confecção das ilustrações. A cada virada de página, topamos com outro tipo de clichês brasileiros: dos históricos, como a chegada dos portugueses, a catequização dos índios, a escravidão ou os ciclos do café e do ouro, até clichês do Brasil de hoje, cheio de engarrafamentos, dívidas, condomínios fechados e alienação. Todos retratados com sutil irreverência e grande riqueza gráfica. O livro possui capa em lâmina de madeira impressa em serigrafia, fixada com fita adesiva, e tem tiragem única de mil exemplares numerados.




Sabrina Risaban – Designer | Belo Horizonte – MG

“MINAS Roller - Trabalho acadêmico – TCC

Proposta: Criar uma identidade visual para um grupo de patinação de Belo Horizonte e aplicação em peças gráficas.

O logo foi baseado no visual Retrô empregando cores “lavadas”, misturas e espaçamento em suas tipografias. Introduz o símbolo do escudo, elemento obrigatório nos brasões surgidos na Europa Medieval. A marca apoia-se no conceito da Bandeira do Estado de Minas Gerais, já que o nome do grupo é Minas Roller e as três principais palavras que definem o mesmo são: amizade, família e união”. - Sabrina Risaban


E aí curtiram os trabalhos? Quer ver o seu trabalho aqui também? Saiba como clicando aqui. Até o próximo Artwork dos leitores, e não se esqueçam de divulgar esse espaço cedido a vocês, se tiver algum amigo que tenha algo nesse estilo para mostrar indique-o pra cá! ;)

Acompanhe o blog também em: Instagram | Twitter | FacebookPinterest

VOCÊ VAI GOSTAR TAMBÉM:

1 comentários

Comentários são sempre bem-vindos e eu vou gostar de saber o que você acha do blog ♥. Mas lembre-se: sem palavrões ou xingamentos. Ah! E deixe o endereço do seu site/blog pra eu poder visitar.

Ari

Portfólio

Fac

Todos os textos publicados são produzidos por Ariadne Rodrigues, exceto quando sinalizado. Por ser um blog de inspiração o material divulgado (fotos, vídeos, etc.) leva sempre o nome do autor e o link para o mesmo. Se ainda assim algum material não foi devidamente creditado ou não é permitido seu uso, você artista, pessoa pública, site ou empresa entre em contato via e-mail (devoltaaoretro@gmail.com) que o material será prontamente creditado e/ou removido. Não utilize as imagens e os textos feitos pelo De volta ao retrô, sem a minha autorização.

Faço parte